A Memória e a Mão

(1974 – 1980)

Tradução: Caio Meira

 

Outrora, houve uma mão

para conduzir-nos à vida.

Haverá, um dia, uma mão

para nos conduzir à morte?

 

I

Duas mãos

(1975)

 

Aqueles De Quem…

 

I

 

Aqueles de quem foi tirado o direito

de viver têm direito, pelo menos, a um pensamento.

…um pensamento que lhes seria

de direito.

Toda manhã cabe em duas mãos.

…mãos que queimam com o dia.

A noite é, talvez, consumação de nossas mãos.

Não se pode, entretanto, confundir cinza e sombra; —

mas quem o sabe?

A noite não será, ao mesmo tempo, prelúdio e termo

do incêndio?

 Não tens mais mãos. Dormes.

Morremos de nossas próprias mãos

(Morremos sem mãos)

 

II

 

O vocábulo separa a mão da mão que o

forma.

Uma mão basta ao livro.

…mão que substitui a mão e cujo

vocábulo diz a pertença.

 

III

 

Tanto ruído no desaparecimento do

ruído.

Silêncio para nada.

A mão só escuta o silêncio; só escuta

a mão.

 

IV

 

O corpo acariciado desabrocha a mão. Ao punho

falta a carícia; falta, também, à pluma.

— A pluma entreabre a mão.

A mão se entreabre ao vocábulo; se entreabre à

distância.

 

 

V

A pluma é o punhal. A mão faz

sangrar;

sangra.

Escrevemos com o sangue do vocábulo misturado ao

nosso?

 

VI

 

Há o tempo da mão, com há o

tempo de amor — ou a morte.

(A mão passa a mão.)

 

VII

 

(A mão é futuro)

 

VIII

 

Mão apertada sobre sua fome.

 

IX

 

Fardo pesado.

Já é livro.

 

X

 

TÚNEL

(Invisível percurso)

 

XI

 

O universo atravessa a mão, versa

no abismo.

Os horizontes são privados de ar,

os extremos.

 

XII

 

Noite só.

(O livro estrelado sucumbe)

 

XIII

 

Todas as luzes foram luzes de

poeira.

…Todas de volta à poeira de

luz.

 

 

Mão desmascarada

 

I

 

Uma noite para levar

um outro sol.

 

II

 

O cego conheceria

a doçura primitiva

de ser inteiramente noite?

 

III

 

"Um sol está em nós — dizia um

sábio — A manhã o ignora e, portanto, fez

de minha vida um manhã perpétua."

 

IV

 

"Não há — dizia ainda o

sábio — transparência que, uma vez, não tenha

sido desmascarada."

 

 

Compartilhamentos [© Caio Meira]
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *